Cadastre-se ou faça login     Youtube LinkedIn Twitter Facebook Instagram

Notícias > Poços clandestinos podem comprometer qualidade da água subterrânea

Publicado em 25/11/2014
Poços clandestinos podem comprometer qualidade da água subterrânea

Cresce busca pela construção de poços artesianos, mas poços mal construídos  podem colocar em risco a eficiência das reservas subterrâneas e a saúde dos usuários, alertam especialistas

Na busca por uma alternativa definitiva para suprir a atual crise hídrica que atinge 17 milhões de pessoas nas regiões metropolitanas de São Paulo e Campinas, condomínios residenciais e indústrias têm investido na construção de poços artesianos, como uma alternativa para o abastecimento. Um levantamento feito pelo Centro de Pesquisa de Águas Subterrâneas (Cepas) da Universidade de São Paulo (USP) com construtores de poços estima que cerca de 400 perfurações foram feitas na Região Metropolitana de São Paulo, somente em 2014. Mas a perfuração desenfreada pode colocar em risco a eficiência das reservas subterrâneas e a saúde dos usuários, principalmente quando os poços são construídos clandestinamente. “A construção de um poço clandestino pode contribuir para esgotar o aquífero, porque este poço ficará fora do planejamento dos órgãos gestores, responsáveis pela emissão de outorgas. Além disso, a análise da qualidade da água não é exigida e realizada, o que pode colocar em risco a saúde da população,  afirma Mauro Banderali, especialista em instrumentação hidrometeorológica da Ag Solve. Segundo ele, outro problema que pode acontecer são as deficiências na construção do poço, se a empresa não for idônea, que podem levar o usuário a consumir água poluída.

Poços clandestinos e o risco à saúde humana

Segundo especialistas, quase 30% dos poços existentes no Brasil estão cadastrados ou autorizados. Os outros 70% seriam clandestinos. Mauro Banderali considera o mercado informal de poços um risco à saúde da população, já que o controle da qualidade da água não é feito regularmente e pode haver contaminação do aquífero. “Quando o poço é mal construído, tanto o volume produzido quanto a qualidade da água podem estar comprometidos. O usuário deverá arcar com os custos e com os procedimentos necessários para a instalação dessa obra complexa, que é o poço”, esclarece. Segundo ele, a tecnologia pode colaborar na verificação da qualidade da água e no nível do poço. “Equipamentos como as sondas Aquaread capazes de identificar uma infinidade de parâmetros de qualidade da água; os medidores de níveis e o Levelogger, capazes de verificar o nível d’água em poços e enviar os dados em tempo real para o usuário, podem colaborar no monitoramento que é exigido pelos órgãos ambientais estaduais”, orienta o especialista. 

Ceará, um modelo a ser seguido

Poços mal construídos e clandestinos, exploração em excesso e falta de gestão integrada das águas subterrâneas e superficiais são situações semelhantes enfrentadas em regiões altamente povoadas. É o caso da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), que integra 15 municípios em uma área de 5.791 km² e possui uma população de 2 milhões e 800 mil habitantes, sendo a 8ª maior do Brasil. Itabaraci Cavalcante, professor e pesquisador da Universidade Federal do Ceará (UFC), comenta que, apesar da RMF possuir 14 mil poços cadastrados, a má construção e os poços rasos são condutores de contaminação. “Nós temos observado, assim como em outras regiões no Nordeste, problemas seriíssimos como a contaminação por cloretos e um número maior ainda de contaminações por nitrato”.

O estado do Ceará é considerado modelo no monitoramento de poços e da água subterrânea. São cerca de 20 mil poços cadastrados e 14 mil georreferenciados, sendo 8 mil na região de Fortaleza. “Falar de água subterrânea em uma região metropolitana é muito difícil. Em Fortaleza, nós tivemos uma preocupação muito grande nas últimas três décadas e estamos tentando caracterizar um pouco mais a ocorrências das águas subterrâneas, mas a gente se pergunta até quando o governo colocará em segundo plano a pesquisa das águas subterrâneas”, ressalta Cavalcante.

Precisa de ajuda para escolher a melhor solução para sua aplicação?

Nossos especialistas podem ajudá-lo. Entre em contato.

Fale Conosco