Cadastre-se ou faça login     Youtube LinkedIn Twitter Facebook Instagram

Notícias > WMO Emite Novo Relatório Apontando Impactos das Mudanças Climáticas e das Condições Meteorológicas na América Latina e no Caribe.

Publicado em 27/08/2021

WMO emite novo relatório apontando impactos das mudanças climáticas e das condições meteorológicas na américa latina e no caribe.

 

As mudanças climáticas e as condições meteorológicas extremas estão ameaçando a saúde e a segurança humana, a segurança alimentar, hídrica e energética e o meio ambiente na América Latina e no Caribe. Os impactos abrangem toda a região, incluindo picos andinos, grandes bacias de rios e ilhas baixas, de acordo com um novo relatório da World Meteorological Organization (WMO).

 

O relatório divulgado em 17 de agosto, com base em Ciências Físicas, aponta que as temperaturas na região aumentaram mais do que as médias global e provavelmente continuarão a aumentar. Ele projetou mudanças nos padrões de precipitação, maior aumento do nível do mar, inundações costeiras e ondas de calor marinhas.

 

A América Latina e o Caribe (ALC) está entre as regiões mais desafiadas por eventos hidrometeorológicos extremos. Isso foi destacado em 2020 pela devastação dos furacões Eta e Iota na Guatemala, Honduras, Nicarágua e Costa Rica, e pela seca intensa e uma temporada incomum de incêndios na região do Pantanal no Brasil, Bolívia, Paraguai e Argentina. Os impactos notáveis ​​incluíram escassez de água e energia, perdas agrícolas, deslocamento e saúde e segurança comprometidas, todos os desafios agravados da pandemia COVID-19 ”, disse o Secretário-Geral da OMM, Prof. Petteri Taalas. Leia mais

 

Ondas de calor

Em 2020 foi considerado um dos três anos mais quente da América Central e Caribe, com temperaturas acima da média com base em referências climatológicas de 1981-2010. As altas ondas de calor impactaram muitos países da América do Sul, com temperaturas elevadas por dias subsequentes e recordes de temperaturas foram quebrados.

 

Secas e precipitações

A intensa seca nos países da América Latina e Caribe, trouxeram impactos significativos, como diminuição do nível de rios, redução da safra agrícola e escassez de água. Eventos de chuvas intensas trouxeram complicações repentinas em áreas urbanas e rurais na América do Sul e Central.

 

 

Incêndios florestais

A América Latina e Caribe contém aproximadamente 57% das florestas primárias remanescentes do mundo - armazenando cerca de 104 gigas toneladas de carbono e abrigando 40-50% da biodiversidade mundial e um terço de todas as espécies de plantas. Os incêndios florestais são responsáveis pela perda do ecossistema, que contribuem para as mudanças climáticas em virtude da liberação de dióxido de carbono. De modo geral, os incêndios florestais ocorreram com mais frequência no ano de 2020, em comparação a 2019, um ano crítico em relação as queimadas. O crescimento nas taxas de incêndios em 2020 impactou danos ao ecossistema, como o desmatamento Amazônico, responsável por um terço das florestas tropicais do mundo.

 

 

Aumento do nível e temperatura do mar

Com média de 3,6mm por ano, de 1993 a 2020, o nível do mar do Caribe vem subindo a uma taxa ligeiramente superior à média global (3,3 mm / ano). A temperatura da superfície do mar no Oceano Atlântico Nortel Tropical aumentou consideravelmente, batendo recorde com +0,87 ° C, acima da média de 1981 a 2020.

Em maio de 2020, as temperaturas da superfície do mar começaram a resfriar gradativamente no Pacífico Equatorial e o La Ninã se desenvolveu. Juntamente com uma piscina mais quente do Atlântico, cooperou para uma temporada de furações mais frequente.
 

Geleiras

Importantes fontes de água doce, para o consumo de água, geração de energia, agricultura e conservação do ecossistema. Nos Andes Chilenos e argentinos, as geleiras vêm diminuindo nas últimas décadas, a partir de 2010 a perda da massa das geleiras acelerou, devido ao aumento de temperaturas sazonais e uma redução significativa da precipitação anual na região.

 

 

Soluções em monitoramento permitem estudar os efeitos climáticos

Os sistemas de monitoramento permitem estudar eventos climáticos, alertando e informando antecipadamente e possibilitando criar planos de contingência para reduzir os riscos de eventos e seus impactos em diversos setores, como a agricultura. O monitoramento e a observação devem servir não apenas para medir e demonstrar os efeitos das mudanças climáticas nos sistemas, mas também gerar conhecimento, aprendizagem e evidência para informar o planejamento e a política climática. Conheça nossas soluções

 

 

Fonte: https://public.wmo.int/en

Precisa de ajuda para escolher a melhor solução para sua aplicação?

Nossos especialistas podem ajudá-lo. Entre em contato.

Fale Conosco
WhatsApp